Está aqui

Água - Abastecimento, qualidade, ribeiras e praias

 

Abastecimento

No concelho de Cascais a distribuição de água é assegurada pela empresa Águas de Cascais e tem 3 tipos de origens: 

  • Água adquirida à EPAL - que representa um volume superior a 88%;
  • Água captada no concelho – galerias de minas, furos e Albufeira do Rio da Mula - cerca de 11%;
  • Água adquirida ao concelho de Sintra – volume inferior a 0.2%.

O sistema de abastecimento de água tem uma extensão de 1376 km, sendo a água aduzida armazenada em 25 reservatórios com uma capacidade total de cerca de 91 000 m3, aos quais acrescem 400 000 m3 armazenados na Albufeira do Rio da Mula. 

Diariamente são distribuídos cerca de 55 milhões de litros de água, cuja qualidade é controlada pela Águas de Cascais através de análises realizadas ao longo de todo o processo de produção e distribuição.
Para saber mais sobre a distribuição e qualidade da água de abastecimento no concelho de Cascais, consulte os links:

http://www.aguasdecascais.pt/sistemas/abastecimento-de-agua/

http://www.aguasdecascais.pt/qualidade/controlo-da-qualidade-da-agua/   

Para apresentar de denúncia relacionada com o problemas relativos a água ou saneamento, como roturas e/ou outros semelhantes http://www.cascais.pt/servico/denuncia-de-problema-com-agua-ou-saneamento

 

Qualidade da Água Balnear

 

A gestão da qualidade das águas balneares é, em termos do direito comunitário, regida pela Diretiva 2006/7/CE de 15 Fevereiro de 2006, que foi transposta para o direito nacional pelo Decreto-Lei nº 135/2009 de 3 de Junho, alterado pelo Decreto-Lei nº 113/2012 de 23 de Maio, que estabelece o regime de identificação, monitorização e classificação da qualidade das águas balneares e de prestação de informação ao público sobre as mesmas, prosseguindo portanto objetivos de prevenção da saúde humana e de preservação, proteção e melhoria do ambiente.

A autarquia promove a monitorização das águas de todas as praias do concelho durante toda a época balnear, com vista a demonstrar o cumprimento dos requisitos de qualidade das águas balneares, estabelecidos no Decreto-Lei n.º 135/2009a, de 3 de Junho, que transpõe a Diretiva nº 2006/7/CE, de 15 de Fevereiro.

Entende-se por qualidade da água o conjunto de valores dos parâmetros físicos, químicos, biológicos e microbiológicos da água que permite avaliar a sua adequação para determinados usos diretos ou potenciais. 

De acordo com a avaliação é efetuada pela Diretiva 2006/7/CE, para as águas balneares costeiras e de transição é utilizado um conjunto de dados de qualidade recolhidos durante 4 épocas balneares.

Parâmetro - Enterococos intestinais (ufc/100ml: 
Qualidade EXCELENTE (*) 100 | Qualidade BOA (*) 200 | Qualidade ACEITÁVEL (**)185
Métodos de análise de referência ISO 7899-1 ou ISO 7899-2

Parâmetro - Escherichia coli (ufc/100ml):                
Qualidade EXCELENTE (*) 250 | Qualidade BOA (*) 500 | Qualidade ACEITÁVEL (**) 500
Métodos de análise de referência ISO 9308-3 ou ISO 9308-1

As duas campanhas de monitorização são levadas a cabo pelas seguintes entidades:

  • Agência Portuguesa do Ambiente (APA) – Campanha Oficial;
  • Águas de Portugal (ADP- EX SANEST )– Campanha realizada ao abrigo do protocolo estabelecido entre a CMC e a ADP.

A campanha oficial é realizada, mensalmente, nas praias balneares, sendo complementada com a campanha da ADP, semanal, em todas as praias.
As praias de Cascais são todas banhadas pelo Oceano Atlântico. Assim, temos uma zona virada a Sul e designada por Costa do Estoril e outra virada a poente conhecida como Guincho.
No total Cascais possui 15 praias balneares, Abano, Guincho, Crismina, Rainha, Conceição, Duquesa, Moitas, Tamariz, Poça, Azarujinha, S. Pedro do Estoril, Bafureira, Avencas, Parede e Carcavelos e 2 praias não balneares, Santa Marta e Pescadores.

A água balnear, na maioria das praias do conselho, foi classificada como Excelentes pelas(s) autoridade(s) competente(s) nas épocas Balneares anteriores, nomeadamente 2013 e 2014:

Classificação 2015:

Classificação águas balneares 2015  - APA

ABANO - EXCELENTE

AVENCAS - EXCELENTE

AZARUJINHA - EXCELENTE

BAFUREIRA - EXCELENTE

CARCAVELOS - EXCELENTE

CONCEICAO - BOA

CRISMINA - EXCELENTE

DUQUESA - BOA

GUINCHO - EXCELENTE

MOITAS - EXCELENTE

PAREDE - EXCELENTE

POCA - BOA

RAINHA - BOA

S. PEDRO DO ESTORIL - EXCELENTE

TAMARIZ - EXCELENTE

A informação sobre a qualidade das águas balneares é divulgada nos painéis de informação existentes nos principais acessos às praias.

Poderá ainda, para mais informações, consultar na página da Agência Portuguesa do Ambiente .

Para ter acesso a mais informação sobre parâmetros da água, do ar e de radiação ultravioleta, pode consultar a aplicação Praia em Directo.

 

Bandeira Azul

O galardão Bandeira Azul continua a merecer o reconhecimento nacional e internacional, demonstrando o envolvimento e trabalho árduo da Autarquia Local, Operadores Turísticos, Entidades Públicas e Público em geral. Ele resulta de um longo trabalho desenvolvido pela Câmara Municipal e que se inicia muito tempo antes da atribuição do mesmo, através do desenvolvimento de uma série de medidas vitais para a excelência de qualidade que as nossas Praias a todos habituaram. 

O objetivo do programa passa pela «promoção do desenvolvimento sustentável em áreas costeiras, fluviais e lacustres a partir de critérios que envolvem a educação ambiental, a qualidade da água balnear, a gestão da zona balnear, os serviços e a segurança». A Bandeira Azul é um galardão ambiental atribuído anualmente às praias, marinas e portos de recreio que cumpram um conjunto de critérios de gestão ambiental, educação ambiental, informação, qualidade da água balnear, serviços e segurança dos utentes. 

Em Portugal, o galardão é desenvolvido pela Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE), secção portuguesa da Foundation for Environmental Education (FEE) e conta com o apoio técnico da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), entre outras entidades públicas e privadas com responsabilidades na gestão das praias, marinas e portos de recreio.

Os Critérios, 27, do Programa Bandeira Azul estão divididos em 4 grupos, apresentam-se abaixo alguns exemplos:
I.    Informação e Educação Ambiental (1-6)
•    Existência de recipientes próprios para o lixo.
•    Existência de um plano de ordenamento para a orla costeira.
•    Existência de acesso segura à praia.
•    Para mais informação poderá consultar o sítio: http://www.abae.pt.( página da Associação Bandeira Azul).

II.    Qualidade da Água (7-11)
•    Cumprimento de todas as normas e legislação (1º critério para atribuição da Bandeira Azul).
•    Ausência absoluta de descargas de águas residuais industriais ou urbanas na área da praia.
•    Existência de planos de emergência, locais ou regionais, relativamente a acidentes de poluição na praia.

III.    Gestão Ambiental e Equipamentos (12-25) 
•    Existência de mecanismos para aviso da população em tempo útil, em caso da alteração da situação de qualidade.
•    Realização de atividades de educação e a existência de um centro de interpretação ambiental ou estrutura similar.
•    Afixação pública das normas de conduta da praia, informação atualizada sobre a qualidade da praia e os contactos dos responsáveis pela campanha ao nível local, regional e europeu.

IV.    Segurança e Serviços (26-32) 
•    Existência de serviço e posto de primeiros socorros, nadadores salvadores.
•    Existência de acessos seguros à praia
•    Acessibilidade para indivíduos com mobilidade reduzida

Qualidade de Ouro

A Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza recorre anualmente à informação pública oficial disponibilizada pela APA – Agência Portuguesa do Ambiente, sobre a qualidade das águas balneares, para avaliar o estado das zonas balneares.
Para receber a classificação de praia com qualidade de ouro, a água balnear tem de respeitar os seguintes critérios:
•    - Qualidade da água EXCELENTE nas cinco últimas épocas balneares de 2011 a 2015;

•    - TODAS as análises realizadas, sem exceção, na última época balnear (de 2015) deverão ter apresentado resultados melhores que os valores definidos para o percentil 95 do anexo I da Diretiva relativa às águas balneares; isto é, para águas costeiras e de transição, todas as análises deverão apresentar valores inferiores a 100 ufc/100 ml para os Enterococos intestinais e inferiores a 250 ufc/100 ml para a Escherichia coli, e para águas interiores, 200 ufc/100 ml e 500 ufc/100 ml, respetivamente.

Esta avaliação efetuada pela Quercus é mais limitada em comparação com os múltiplos critérios para atribuição da Bandeira Azul, ao basear-se apenas na qualidade da água das praias, apesar de ser mais exigente neste aspeto em específico, para além de incluir todas as águas balneares, não envolvendo qualquer processo de candidatura.

Em 2015, a Quercus atribuiu Qualidade de Ouro a 10 praias do Concelho, nomeadamente: Abano, Avencas, Azarujinha, Bafureira, Carcavelos, Crismina, Guincho, Moitas, S. Pedro do Estoril e Tamariz. Consulte aqui.

 

Ribeiras

Em Cascais as linhas de água encontram-se, sensivelmente, distribuídas uniformemente ao longo do Concelho, entre Oeste (zona da Biscaia) e Este (Praia de Carcavelos) com uma orientação predominante de Norte-Sul e que na sua maioria desaguam na Costa Sul do concelho. 

As ribeiras mais relevantes e consideradas linhas de água principais são doze:
•    Ribeira do Assobio;
•    Ribeira da Grota;
•    Ribeira do Arneiro;
•    Ribeira da Foz do Guincho;
•    Ribeira dos Mochos;
•    Ribeira das Vinhas;
•    Ribeira da Castelhana;
•    Ribeira da Cadaveira;
•    Ribeira de Bicesse;
•    Ribeira de Manique;
•    Ribeira das Marianas;
•    Ribeira de Sassoeiros.

Com um papel relevante para a qualidade do sistema natural e como recetores e emissários por excelência dos sistemas urbanos e suburbanos de drenagem pluvial, estas ribeiras são caracterizadas pelo seu regime intermitente, estando sem caudal durante a época estival.
As suas características são muito diversificadas, variando entre troços ainda bastante naturalizados e outros onde as obras de regularização implicaram a construção de obras de arte e infra-estruturas. 
Tem-se verificado, ao longo dos anos, uma melhoria significativa na qualidade da água fluvial e num esforço conjunto, desenvolvido entre a autarquia e as Águas de Cascais, através do projeto “Poluição Zero”, cujas intervenções visam minimizar as ocorrências de descargas de efluentes domésticos, industriais e de origem pecuária nas ribeiras.

Linha verde

x

Fale connosco

800 203 186

Em rede